8/124 AH! EU MORRERA

CapaLivroCartasDeUmaMorta-174-259

8/124

AH! EU MORRERA

Descerrou-se, finalmente, o derradeiro véu que obumbrava o meu ser pensante… Senti-me sã, ativa, ágil, como se despertasse naquele instante… Ah! Eu morrera…

E a morte representava um grande bem, porque eu me sentia outra, trazendo as faculdades integrais, plena de favoráveis disposições para as lutas da vida. Todavia tinha a impressão de estar só, já que ninguém respondia às minhas argüições, embora percebesse que a minha voz nada perdera de seu vigor e tonalidade.

Propositalmente procurava fazer-me vista por todos, mas uma impossibilidade perturbadora correspondia aos meus pensamentos. Refugiei-me, então, nas mais sinceras e fervorosas preces. Foi quando comecei a divisar vultos sutis e ouvir vozes acariciadoras, das quais fugia amedrontada e receosa, na ilusão pueril de que me achava com o corpo físico, trânsita de medo e suscetibilidades…

Maria João de Deus

Livro Cartas de uma Morta – Psicografia Chico Xavier

8/124 Livro Cartas De Uma Morta – Uma Pagina Por Dia
Projeto uma página por dia, entenda a proposta: [[VEJA AQUI!]]

%d blogueiros gostam disto:
Pular para a barra de ferramentas